jump to navigation

Tornando-se um lisboeta – Parte I 2010/10/08

Posted by tbnsilveira in General, Mestrado, Portugal, Trip.
add a comment

Com um certo atraso, consegui me organizar e começar a relatar os acontecimentos, curiosidades e viagens interessantes destes últimos dias (senão meses). Quanto à viagem do Canadá (assunto do último post), continuarei publicando as fotos e os respectivos comentários, intercaladamente com os novos assuntos.

Primeiramente, um breve resumo dos fatos para contextualizar o leitor: através de um protocolo de cooperação entre universidades, vim parar na Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, para realizar a etapa de pesquisa do meu curso de mestrado. Como em qualquer processo do tipo, os meses que antecederam a partida foram de muitas (in)decisões, expectativas, esperas, burocracias e, correria.

Os últimos dias antes de viajar, no entanto, são os que proporcionam mais adrenalina (constatação de uma grande amiga minha, que com esta taxonomia caracteriza os seus imprevistos). Já havia comprado as passagens, embora ainda não estivesse com o visto: partiria de Porto Alegre na terça-feira à noite, dia 14/09, com uma rápida escala em São Paulo e chegaria à Lisboa no dia 15 (E o visto?!). Pois bem, às 18h de sexta-feira recebo a notícia de que meu visto estava concedido. A partir disto, deveria levar meu passaporte ao consulado de Porto Alegre e aguardar 5 dias úteis para recebê-lo.

Resumindo: precisava estar no consulado de São Paulo na terça-feira pela manhã, com o passaporte em mãos. Apenas no domingo pela manhã consegui contactar a operadora de turismo a qual eu tinha comprado as passagens. Daí, a excelente notícia: não havia como alterar o trecho e, se eu não comparecesse em Porto Alegre (minha ideia seria ir independentemente a SP), perderia todo o voo. Na mesma hora cancelei as passagens, com o ônus de USD300.00 de multa e a restituição do valor em apenas 90 dias. A busca por novas passagens (e agora sem ajuda da Internet, já que por este meio são realizadas vendas apenas com prazos maiores de 48h) fez com que eu logo esquecesse, ao menos naquele momento, o valor da multa e da frase de despedida agradecendo minha ligação. Irônica, talvez, se não fosse tão robótica.

Entretanto, há males que vêm pra bem (tentando manter minha visão otimista dos fatos). Ao contrário do que seria na primeira viagem, onde teria que deslocar-me de Guarulhos ao consulado e deste a Campinas carregando todas as bagagens, tive a comodidade de rever minha mochila somente em Lisboa e de sair do Aeroporto de Cumbica apenas para ir ao consulado e passear pelas avenidas de São Paulo…

Só para aumentar o espírito de aventura, após resolver a maioria das pendências na segunda, meu cunhado levou-me ao aeroporto. Ainda brincamos de como, pela primeira vez, eu havia chegado em tempo para fazer o check-in calmamente e aproveitamos para ir tomar um café. Por falha minha e da operadora, acabei perdendo o voo…

Anúncios

Montreal em 12h 2010/07/21

Posted by tbnsilveira in Canada2010, Photography, Trip.
add a comment

Apos as conexoes em Washington e Boston, finalmente chegamos em Montreal, na provincia de Quebec. As mensagens que antes eram dadas em ingles e portugues, agora eram em ingles e frances. Alguns minutos para adaptarmos-nos a isso, e seguimos para buscar as mochilas.

Surpresa: apenas minha mochila estava na esteira. A outra, identica a minha e de propriedade da minha irma, perdeu-se no caminho e ate agora temos poucas noticias de seu paradeiro.

Embora o ocorrido, fomos bem atendidos pelos funcionarios da companhia – em um setor bastante movimentado da Air Canada para reclamacoes no atrasado de bagagens… Ocorrencia registrada, adquirimos um passe nos metros de Montreal por CAD7.00 nos dando direito a utilizar o metro e as linhas de onibus associadas quantas vezes quisessemos. Com o mapa em maos, deixamos as coisas no hostel e saimos para conhecer o maximo no menor tempo possivel.

Entre os principais pontos visitados:

  • Catedral de Notre-Dame;
  • Palacio da Justica e demais orgaos do governo;
  • China Quarter;
  • Cidade subterranea;
  • Parque Mont-Royal.

 

Canada Trip 2010 2010/07/21

Posted by tbnsilveira in Canada2010.
add a comment

Embora minha intenção fosse postar aqui os detalhes desde o inicio do planejamento da viagem, a falta de tempo associada ao excesso de detalhes me possibilitou escrever apenas agora (ja viajando).

Enfim, o roteiro consiste em visitar as principais cidades do Canada, alem de Nova York, Atlantic Highlands e Buffalo nos USA. Abaixo, segue o mapa com todo o percurso.

Travel maps 2010/07/11

Posted by tbnsilveira in Trip.
Tags: ,
add a comment
Para os viajantes de plantão, uma ferramenta da tripAdvisor permite a criação de mapas (baseados no GoogleMaps) com todas as cidades do mundo já visitadas, sendo possível destacar aquelas a qual deseja-se indicar aos amigos ou então, os destinos futuros.
O mapa e as informações das viagens podem ser compartilhados facilmente através de blogs (abaixo segue o meu “travel map”) e redes sociais (facebook e orkut).
A vantagem disto está na troca de informações sobre roteiros e serviços, uma vez que pode-se descobrir todos os amigos que já foram para o local onde passará suas próximas férias 😉

Broken Bells 2010/06/04

Posted by tbnsilveira in Music.
Tags: ,
add a comment

Ainda conhecida por poucos, a banda Broken Bells é um dos mais novos projetos do indie rock americano, cujo primeiro álbum foi lançado em março deste ano. Formado por Brian Burton (artista e produtor) e James Mercer (também vocalista e guitarrista da banda “The Shins”), o projeto teve início após um encontro em 2004 ao descobrirem que um admirava o trabalho do outro.

Vale a pena conferir o primeiro single do grupo, “The High Road”, lançado no final de 2009. Descrito pelos produtores como um material melódico porém experimental, todas as letras foram escritas por eles e carregam bastante significado, além da melodia.

Abaixo, a tracklist completa do álbum, com destaque às músicas imperdíveis:

1. “The High Road” – 3:54
2. “Vaporize” – 3:32
3. “Your Head Is on Fire” – 3:06
4. “The Ghost Inside” – 3:19
5. “Sailing to Nowhere” – 3:46
6. “Trap Doors” – 3:19
7. “Citizen” – 4:29
8. “October” – 3:37
9. “Mongrel Heart” – 4:26
10. “The Mall and Misery” – 4:06

(Referências: [1], [2])

Depois eu escrevo… 2010/06/04

Posted by tbnsilveira in Behaviour, Chronicles, General.
Tags: , ,
1 comment so far

Para marcar o primeiro post do blog e para lembrar-me constantemente de evitar o mesmo erro, republico aqui um artigo do blog Pastel(x), descontinuado por procrastinação, talvez…

Ao ler um título semelhante em uma reportagem da revista Superinteressante (Depois eu faço. Edição Out/2008) logo lembrei-me das muitas vezes em que repeti, mesmo que mentalmente, esta frase. No mesmo momento passei a recordar alguns dos projetos e atividades que deixei inacabados, esperando o tal depois chegar. O Pastel(x) foi um deles.

Procrastinar… Para quem não conhece este termo, provém do latim “procrastinare” e carrega o confortável significado de adiar, transferir para outro dia. Mas será que é mesmo confortável? De acordo com a reportagem – e também por experiência própria – deixar tudo para a última hora (já característica do brasileiro) pode trazer sentimentos de culpa, ansiedade, estresse e arrependimento. Além, é claro, de comprometer a qualidade de um trabalho ou a eficiência de uma tarefa.

Longe de ser confundida com a preguiça, porém, a procrastinação não é a falta de vontade de trabalhar e sim, o acúmulo de trabalho já que várias tarefas são deixadas para última hora. O motivo para desenvolvermos tal hábito varia: do tédio ao perfeccionismo. Em vários estudos, os que mais procrastinam são justamente aqueles que tem maior capacidade intelectual e chateiam-se com determinados trabalhos. Ainda, há aqueles que, receando não finalizar o trabalho com a qualidade almejada, acabam postergando sua entrega.

Nesse perfil de comportamento, muitas atividades são interrompidas por outras que, momentaneamente, proporcionam maior satisfação em realizá-las: “Ahh, vamos tomar um choppinho. Depois a gente estuda”. Para os procrastinadores, não é preciso muito esforço para se deixar vencer e, então, interromper um importante trabalho para bater papo no MSN. Aliás, embora seja uma importante ferramenta de trabalho e pesquisa, a Internet é também um armazém de entretenimentos e motivos para procrastinar-se.

Caso você esteja se perguntando se é também um procrastinador, há um teste bastante interessante para ser feito na página do pesquisador Piers Steel, da Universidade de Calgary, Canadá. O teste, em inglês, consiste em classificar cerca de 80 declarações como sendo ou não característica sua. Ao concluir, é fornecido um feedback avaliando o seu grau de procrastinação dentre uma escala de 0 a 100, com algumas dicas para melhor lidar com isso. (http://webapps2.ucalgary.ca/~steel//Procrastinus/measure.php)

De um modo geral, os seguintes conselhos podem ser seguidos para procrastinar-se menos: assumir apenas aquelas tarefas as quais se tem condições de realizar; procurar resolver os problemas assim que surgirem ao invés de adiar a solução; procurar enxergar o lado bom (alguma vantagem há de ter!) de tarefas chatas; bem como não ser perfeccionista ao ponto de ter medo de errar.

Particularmente, fiz o teste e fui surpreendido pelo resultado. Entre os conselhos que a mim foram dados está a estipulação de metas, o controle de estímulos (tal como manter-me afastado da Internet enquanto escrevo) e o estabelecimento de uma rotina. Sem delongas, desconectei do bate-papo e pus-me a escrever…